Debate: criminalização da homofobia

Foto: Edu Cesar

[por Carlos Vinícius Silva Pinheiro]

Os debates sobre a homoafetividade e as outras condições sexuais, identitárias e de gênero, nunca estiveram tanto no escopo de atenções sociais como hoje. O que é respeito, conservadorismo, igualdade, justiça ou ódio estão todos misturados dentro da questão que aborda as subcondições civis nas quais esses grupos estão inseridos em virtude das suas práticas sexuais e comportamentais. Sendo reconhecível a condição hegemônica, conservadora e discriminatória, os grupos que pretendem se preservar e promover a manutenção de suas condições de poder revelam haver lucros pelas perdas e pela condição de sub-existência, quando não extermínio, da população homossexual.

Afinal, é possível afirmar que as discussões se baseiam em direitos exclusivos? Reconhecimento de condições de opressão e da necessidade de instrumentos específicos para os crimes enraizados pelo discurso de ódio e conservadorismo? Ou então, segundo os olhos conservadores, estamos entrando no fim dos tempos, onde toda a ordem das coisas estão perdidas?

Convido-os para discutir aqui, de forma sadia, inteligente e educada, o que o debate sobre a criminalização da homofobia representa.