A incerteza tão certa que é nosso amor

Foto de Aftab Uzzaman

O que é incompreensível em nós?

Somos filhos da dúvida e da incerteza.

Somos fecundados no mistério, como todos os seres.

Mas o que é exacerbado em mim e em você?

Nossas dúvidas são nossos sonhos.

Nossa incerteza é a mudança e nosso mistério é esse amor.

 

Esse amor todo que sinto, não resolve minhas angústias.

Ele não decifra as charadas, mas sim me devora, mais e mais.

Aflora-se, se aflora… Dos meus nervos à flor da pele aos choros incontroláveis.

Mas o mistério desse amor

É contraditoriamente a minha única certeza.

 

Choro, eu choro, as lágrimas dos dias em que a minha certeza se prostra abalada,

Por entre as cobertas e os lençóis.

Choro quando meus braços questionam se o calor do seu corpo ainda lhes conforta.

Choro, eu choro o pranto dos meus momentos perdidos

Em que te faço perder-se comigo por entre os caminhos ensandecidos

Da minha mente irresoluta.

 

Choro, choro, da minha certeza incerta.

Mas se esse amor não é dúvida

É porque simplesmente não é outra coisa, senão amor.

Se tenho certeza dessa loucura,

É porque amor não vive somente de candura,

Vive sim de desvairados prazeres

E renováveis aventuras.

 

Mas o impávido amor que por ti sinto, meu amor

É sim mistério, como o universo.

De tão grande me fascina,

Que tantos caminhos ilumina,

Que de tão lindo, faz-se certo.

 

É mistério que se desvenda aos poucos

Numa longa jornada de descobertas.

Incompreensível é saber

Que quanto mais te descubro

Mais brilhos têm suas estrelas

Mais amo nossa vida incerta.