Pão, liberdade e justiça social

Ramy Essam - autor desconhecido

Em 25 de janeiro de 2011 se iniciou a Revolução Árabe no Egito, durante a qual houve uma fúria, nomeada “dia da raiva”, que surgiu devido à onda de manifestos que ocorreu em dezembro de 2010 na Tunísia e foi se desmembrando para países do Norte da África e Oriente Médio, como Líbia, Síria, Iêmen, entre outros. Os protestos ganharam grande força nas redes de comunicações: os encontros acabaram sendo marcados via Facebook, Twitter e Youtube. As reivindicações principais eram o fim da repressão, das diversas tentativas de censura da internet dos Estados autoritários.

Ainda que as manifestações principais fossem acerca da repressão e das censuras na internet, no Egito, as manifestações foram além, pois a violência policial, corrupção, desemprego, baixo salário mínimo, inflação, falta de liberdade de expressão e precárias condições de vida para a maioria da população motivaram os protestos que levaram à derrubada do então presidente Hosni Mubarak, no poder havia quase 30 anos. No país, a revolução ocorreu na praça do Tarih, no Cairo, mas os protestos se espalharam para outras cidades egípcias como Alexandria, Suez e Ismailia.

E, foi na praça de Tarih que o músico Ramy Essam ficou famoso, devido à sua canção “Irhal”, que, traduzindo para o português, significa “saia” ou “deixe”, fazendo menção à renúncia de Mubarak. Devido à sua popularidade nas manifestações, a música de Essam tornou-se hino da revolução egípcia e, por este motivo, naquele mesmo ano, “Irhal” foi classificada pela Time Out como a terceira canção a mudar a história do mundo entre as cem escolhidas.

Irhal foi inteiramente composta por Essam e relata, de maneira poética, as crises atuais do Egito. Muitos acreditam que a popularidade da música de Ramy Essam foi o que provocou a renúncia de Mubarak, que foi à TV em 11 de fevereiro de 2011 e declarou sua renúncia, trazendo a esperança de que a queda do ditador egípcio fosse um abalo aos governos ditatoriais do mundo oriental.

Outra música de grande sucesso de Ramy Essam que se disseminou pelo mundo oriental foi “bread, freedom and social justice” que, traduzindo, significa “pão, liberdade e justiça social”, as principais reivindicações das manifestações egípcias.

Para ilustrar, deixo aqui esses dois vídeos:

Este segundo é de Ramy Essam, uma das figuras mais importantes na internet durante o período: