“Sou a deformação do mundo personificada”

Foto de Eduardo Diez Viñuela
Sou a deformação do mundo personificada
Pulsam, gritam as feridas ainda abertas
Constantes golpes do agressor intangível
Condenado estou às eternas correntes da
Liberdade, preso ao lugar comum da
Individualidade, sou o mosaico
Incompleto da sociedade
Transformado e
Formado
Por ela
Único
E mesmo
Assim igual
Aos que me cercam
 A originalidade previsível
Das coisas ainda não vistas, o
Resultado, na verdade, de tudo que
Já se viu e contribuiu para modelar o
  Que é e esta por vir, de modo orgânico,
 Dinâmico, na continua mudança do eu
Sou a deformação do mundo personificada
[Do leitor Vinicius Lotufo]