[Poesia] Aomame

Crédito na foto

Você é a mulher mais linda
Toda categórica e perfeita
Você só é assim, meu Bem
Porque passei pra Deus a receita
E dela você foi feita
Mas será que você me aceita?

Corpo delicado
Corpo tocado
Não ligo pro passado
Nem pra casos atrasados
Sexo feito é sexo parado

Vem ser minha
Com essa tua risada
Com tua fala abafada
E com tua gemida largada

Me encanta
Me protege
Quero te traduzir
Possuir você sem te ferir

Passa a mão no meu cabelo
Que nunca mais eu penteio
Mas deixa em mim teu cheiro
De perfume seco no verão brasileiro

Faz música de mim
Pensa quando acordar
Pensa quando dormir
Eu estarei lá
Eu vou te cobrir
Eu só quero viver assim

Me beija, me arranha e me ama
Me põe de pé pra sentir a dor de Deus
Me põe deitado em tua cama
E mistura meus pedaços com os seus

Vem me visitar
Mas já vem sem roupa
Me deixa só na poupa
Depois tem que me ignorar
Não vá esquecer:
Você não pode lembrar!

Faz minha vida ter sentido
Faz sentido te amar
Você quer me ver mentindo
Mas vim só pra te amar

Me troca, mas beije todos
Pois todos você irá beijar
Em todos os cômodos
E nenhum deles vai voltar

Me deixe viver, vive comigo
Vem construir, vem desmontar
É difícil assim me admirar
Ou vai querer me maltratar?

Me põe na corda, me toca nas manhãs
Manhãs sem o teto poeta, sem alfa nem beta
Sem frio no lado esquerdo, só no direito
Com direito a um beijo e um defeito

Cada as batidas? Cade a Liberdade?
Será que eu vou morrer só?
Só nessa idade?
Só nessa cidade?

Cade, meu amor, o couro de pele?
Te prometi meu coração
Grita pra mim, sua doida:
“Menos palavras, mais ação”

Ah, mas vem transbordar nesse carnaval
Vem ser mais que um sexo carnal
Vem ser a realização do homem animal
Vem se sujar com a semente do mal

Vem ver filme comigo, cazzo!
E ai diz aquilo tudo que canta no tambor
Me diz qual foi a sua dor
Fui em quem causou ou foi aquela flor?

Vem cantar na chuva, e berra comigo
Na minha receita a mulher perfeita é assim
Não tem cor, nem pele de marfim
Só quer ficar junto, perto de mim
Porque só é pra sempre quando não tem fim

Você existe? Ou é outra ilusão?
Vai me fazer chorar de novo?
Vai destruir outro coração?
Mas na receita eu também pedi por isso

Pedi por tudo isso
Isso tudo eu que controlei
Eu escrevi certezas e dúvidas, e por todas chorei
Receita desgraçada, mas que culpa tenho eu?
Você foi para fora, será que já leu?
Eu não sou vítima
Tua culpa é ínfima

Meus olhos vermelhos juntos aos seus
É só um delírio, um sonho e um encargo
A receita que eu fiz está com Deus
Era pra ser doce, virou amargo

Cade as baixarias, poemas eróticos
Festas, Deus Grego, Ereção
Muitos me diziam: “Menos fala, mais ação”
Fica quieta, me deixa
Você já não pode mais dizer isso

Louca, desvairada
Sumiu, pulou da sacada
E deixou Augustus, meu edifício
Me afogar não foi difícil?

Um dilúvio no peito, uma enchente
Vou me perder, nadar sem você
Não existe mais  a gente
Não quero mais tua mão

Pensa nessa relação
Se é que você existe
Pensa nesse céu triste
E me deixa sem reação
Volta pra vida, viaja sem emoção

Racha logo meu crânio, sua inútil
Tua receita era tão falha
Mas mesmo assim espalhou
Como fogo na palha
E dominou minh’alma
E dominou o mundo
E o mundo ficou sem calma

Assim te vejo, te desejo e te imagino
Mas ao preço de viver sem destino
De andar por ai sem caminho
E no fim, talvez, acabar sozinho